O Ministério Público do Estado de Mato Grosso iniciou a programação relativa ao Dia do Servidor Público, a ser comemorado em 28 de outubro, com a publicação nesta quinta-feira (15) do Ato Administrativo n° 973/2020, que trata da concessão da licença-maternidade às promotoras e procuradoras de Justiça e às servidoras nos casos de nascimento prematuro. A partir de agora, o termo inicial da licença-maternidade passa a ser a alta hospitalar do recém-nascido e/ou de sua mãe, o que ocorrer por último, quando o período de internação exceder a duas semanas.

De acordo com o procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges Pereira, a mudança baseia-se em entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) e atende a uma demanda apresentada à administração por mulheres que integram a instituição. Durante a assinatura do Ato Administrativo, em reunião que contou com a participação da representante da Associação Mato-grossense do Ministério Público (AMMP), promotora de Justiça Alessandra Alves Godoy, do Sindicato dos Servidores do MPMT, Helena Santana Ribeiro, da Subprocuradora-geral de Justiça Administrativa, procuradora de Justiça Eunice Helena Rodrigues de Barros e da promotora de Justiça auxiliar da PGJ Hellen Ulliam Kuriki, foram discutidas algumas demandas relativas à temática.

“A pauta foi exatamente o espaço da mulher, o respeito e a paridade em relação aos cargos de chefia, com poder de decisão. Foi uma reunião muito proveitosa e pretendemos avançar, inclusive em nível nacional, para evoluirmos nessa pauta. As próprias mulheres estão buscando o seu espaço e reivindicando de forma correta essa mudança cultural”, destacou o procurador-geral de Justiça.

A subprocuradora-geral de Justiça Administrativa, Eunice Helena Rodrigues de Barros ressaltou que medidas têm sido pensadas e adotadas pela administração no âmbito do MPMT para que as mulheres possam ser cada vez mais ouvidas e atendidas. “Tanto as membras da instituição quanto as servidoras têm os mesmos anseios em relação a várias questões. Entre os apontamentos, aparece o assédio, seja ele moral ou sexual, que tem sido, infelizmente, uma constante na sociedade e precisamos avançar nessa questão”, disse.

A representante do Sindicato dos Servidores do MPMT, analista assistente social Helena Santana Ribeiro, disse que foi feito um levantamento junto às servidoras e foram apresentadas 113 respostas com os pontos em que elas gostariam que a instituição trabalhasse em prol das mulheres. Foram sugeridas propostas relativas à paridade de gênero, enfrentamento de práticas discriminatórias, infraestrutura, campanhas de sensibilização, regulamentação interna, entre outros itens.

A diretora de Mulheres da AMMP, promotora de Justiça Alessandra Alves Godoy, informou que está sendo discutido em nível nacional, por meio da Conamp, a realização de um “raio-x mais fidedigno” em relação a questões relativas às mulheres nos Ministérios Públicos para a definição de políticas e prioridades. Nesse levantamento, segundo ela, serão abordados vários aspectos. “A proposta é envolver também o Conselho Nacional do Ministério Público para que esse diagnóstico contemple as servidoras”, disse.

Confira o Ato Administrativo 

Por MPMT